O Programa > Docentes > Projetos de Rita Ribes Pereira               < Lattes >

TÍTULO DA PESQUISA

Fisiognomias da infância: experiências cotidianas, aletridades, deslocamentos

PERÍODO:

2018 - 2020

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

GPICC - Infância e Cultura Contemporânea

FINANCIAMENTO(S)

CNPq

O objetivo deste projeto é indagar de que modos a infância se mostra aos pesquisadores em seu cotidiano. Que formas de percepção as experiências infantis contemporâneas demandam aos pesquisadores? Que infâncias se tornam perceptíveis em face das teorias e metodologias adotadas? Que outras infâncias permanecem invisibilizadas a espera de procedimentos mais sensíveis? Que éticas se desenham nesses processos de produção de conhecimento? Fruto da revisão de uma trajetória de 13 anos de pesquisa com crianças realizada pelo Grupo de Pesquisa “Infância e Cultura Contemporânea”, o projeto procura sistematizar alguns avanços teóricos e metodológicos e, sobretudo, enfrentar alguns desafios que essa revisão torna emergentes. Desde sua criação temos construído nossos objetos de estudo no diálogo com as crianças a partir das suas experiências contemporâneas, o que vem permitindo não apenas uma teorização sobre a infância, mas um olhar para o contemporâneo a partir da perspectiva das crianças. Metodologicamente nossa postura tem sido propositiva, no sentido de que é o pesquisador que instaura a pesquisa com as crianças visando compartilhar suas questões. Neste projeto queremos ensaiar uma nova postura: não a de fundar uma pesquisa a partir da delimitação de um tema e de um campo específico, mas a partir de um deslocamento dos próprios pesquisadores em sua postura investigativa. Queremos, nos diversificados espaços por onde circulamos, aprender a estar atentos e perceber que infâncias se mostram a nós, onde estão as crianças, o que fazem, o que falam, o que dizem. Queremos buscar que rostos a infância contemporânea nos dirige, que fisionomias se mostram. Junto disto, que metodologias, que teorizações, que ética exigem de nós. A sustentação teórico-metodológica do projeto privilegia a filosofia de Walter Benjamin e seu olhar para a infância, Willi Bole, Jeanne-Marie Gagnebin, Susan Book-Morss, Solange Jobim, entre outros.

    

TÍTULO DA PESQUISA

A INFÂNCIA E SEUS CRONOTOPOS: EDUCAÇÃO E PESQUISA

PERÍODO:

2015 - 2017

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

GPICC - Infância e Cultura Contemporânea

FINANCIAMENTO(S)

CNPq

Este projeto tem por objetivo estudar sobre os tempos e os espaços em que se constituem as experiências infantis contemporâneas. Nosso interesse está em melhor conhecer as formas infantis de habitar, se deslocar e de participar da cidade, bem como, imbricadas a essas experiências, as histórias e narrativas que nelas e a partir delas se constroem.
O conceito de cronotopo é apresentado por Mikhail Bakhtin para designar um equilíbrio e uma indissociação entre as dimensões do espaço e do tempo, sendo que o tempo é definido por ele como sendo a quarta dimensão do espaço. Bakhtin o apresenta como uma categoria literária que funde os índices espaço-temporais de modo inteligível e concreto. É a narrativa que dá visibilidade ao equilíbrio e à indissociabilidade imperceptíveis no acontecimento da experiência vivida. Para tanto, os conceitos de história, experiência, memória e narrativa, tal qual formulados por Walter Benjamin, adquirem significativa relevância. Autores como Raymond Williams, Clifford Geertz, Edward Thompson, Norbert Elias, Gilles Lipovetsky, Lúcia Santaella e André Lemos ajudam a problematizar a história e a cultura contemporânea. Gilles Brougére, Manuel Sarmento, Clarice Kohn, Jader Lopes, Solange Jobim e Souza, Lucia Rabello de Castro, Raquel Salgado e Gilka Girardello são interlocutores no que se refere à concepções de infância, cultura lúdica e produção de pesquisa e de narrativas com crianças.
O projeto é desenvolvido no Grupo de Pesquisa Infância e Cultura Contemporânea (www.gpicc.pro.br), grupo filiado institucionalmente ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, e dá continuidade a dois outros anteriores, “Artes do dizer e do dizer-se: narrativas infantis e usos de mídia” (2009-2011) e “Infância e cultura: experiência e criação na contemporaneidade” (2012-2014), ambos financiados pelo Edital Jovem Cientista do Nosso Estado – FAPERJ e pelo Programa PROCIÊNCIA/UERJ-FAPERJ, sendo que o primeiro recebeu também apoio do CNPq.

    

TÍTULO DA PESQUISA

Infância e cultura: experiência e criação na contemporaneidade

PERÍODO:

2012 - 2014

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

GPICC - Infância e Cultura Contemporânea

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ - Jovem Cientista do Nosso Estado

Infância e cultura: experiência e criação na contemporaneidade
Professor: Rita Marisa Ribes Pereira
Este projeto tem por objetivo estudar os modos como se constituem as experiências infantis na cultura contemporânea, buscando conhecer as histórias de vida das crianças e os diferentes processos de criação que possibilitam significar e compartilhar essas histórias. Este projeto dá continuidade ao anterior, intitulado “Artes do dizer e do dizer-se: narrativas infantis e usos de mídias”, que teve por objetivo estudar a produção de narrativas a partir dos usos que as crianças fazem de diferentes formas de mídias e cujo foco esteve voltado para os usos infantis de diferentes aparatos técnicos e as condições em que esses usos acontecem. Nesta etapa, apresenta-se o interesse em ampliar e aprofundar a compreensão acerca das relações entre a infância e a cultura, tomando como ponto de partida as seguintes questões: Que experiências vivem as crianças hoje? Como essas experiências são afetadas pelas tecnologias? Que modos de criar, de narrar e de se relacionar são desencadeados no contexto da cultura contemporânea?
Dentre os teóricos que ajudam a subsidiar este projeto, destacamos: Walter Benjamin, Mikhail Bakhtin, Lev Vigotsky, Jorge Larrosa, Raymond Williams, Gilles Lipovetsky e Jean Serroy, no que se refere aos conceitos de cultura e de experiência; Steven Johnson, Clay Shirky, Lúcia Santaella e André Lemos contribuem para a reflexão sobre as relações entre cultura e tecnologias; e Solange Jobim e Souza, Lúcia Rabelo de Castro, Gilka Girardello e Gilles Brougére com estudos relacionados às concepções de infância, cultura lúdica e produção de narrativas;

Palavras-chave: infância; cultura contemporânea; processos de criação; experiência; narrativas.

    

TÍTULO DA PESQUISA

Artes do dizer e do dizer-se: narrativas infantis e usos de mídia

PERÍODO:

2009 - 2011

LINHA DE PESQUISA

Infância, Juventude e Educação

GRUPO(S) DE PESQUISA

GPICC - Infância e Cultura Contemporânea

FINANCIAMENTO(S)

FAPERJ - Edital Jovem Cientista do Nosso Estado [2008] PROCIÊNCIA UERJ CNPq - Edital Universal [2009]

Este projeto tem por objetivo estudar a produção de narrativas infantis a partir dos usos que as crianças fazem de diferentes formas de mídias – televisão, DVD, MP3, iPod, internet, aparelhos de telefone celular. O acesso a esses aparatos técnicos e a sua relativa facilidade de manuseio faz com que eles adquiram, entre as crianças, um lugar relevante, seja para a recepção das mais distintas formas de produção cultural a que têm acesso, seja na utilização e mediação desses aparatos em seus processos de produção de narrativas: torpedos, autobiografias em vídeos compartilhados, depoimentos em sites de relacionamentos, criação de histórias orais, escritas e audiovisuais que demonstram um profundo domínio de linguagens técnicas e de discursos próprios dos contextos de mídia. Que maneiras de dizer e de dizerem-se as crianças criam mediadas por esses aparatos técnicos? De que temas tratam em suas narrativas? Em que medida as narrativas engendradas por essa nova experiência se conectam com outras, mais tradicionais? Que formas de diálogo essas narrativas instauram, das crianças com seus pares e com os adultos com quem convivem?
Dentre os autores que contribuem para o enfrentamento dessas questões, detacam-se Walter Benjamin, Mikhail Bakhtin, Michel de Certeau, David Buckinghan, Arlindo Machado, Marim-Barbero, Orozco-Gomes, Silviano Santiago, Betriz Sarlo, Solange Jobim e Souza, Sonia Kramer, Lúcia Rabelo de Castro, Gilka Girardello.